john-f-kennedy

John F. Kennedy

Quinze anos mais tarde, era a vez do 35º presidente americano, John F. Kennedy, ser despachado tão rapidamente quanto conquistara o posto de segundo presidente mais jovem da história do país, com dois tiros certeiros na cabeça, durante um desfile em um carro aberto, no início de sua campanha de reeleição em Dallas, Texas. Três anos antes, Kennedy teria derrotado o lobo peso-pesado, Richard Nixon, na eleição mais acirrada do século XX: 49,7% a 49,5%. Foi também a primeira eleição da história americana que teve um debate televisionado, com 70 milhões de espectadores. Ele foi Presidente de 1961 até o seu assassinato em 1963. Durante o seu governo houve a Invasão da Baía dos Porcos, a Crise dos mísseis de Cuba, a construção do Muro de Berlim, o início da Corrida espacial, a consolidação do Movimento dos Direitos Civis nos Estados Unidos e os primeiros eventos da Guerra do Vietnã. O foco de Kennedy era a corrida espacial contra a União Soviética, mas não houve como escapar às pressões para dar continuidade à política da Guerra do Vietnã, herdada Eisenhower e Truman. Após sua morte, seu vice, Lyndon Johnson, assumiu e foi reeleito ao final do mandato. Nas eleições seguintes, em 1968, o lobão Richard Nixon, finalmente, se elegeu. Durante os mandatos dos dois, 50.000 jovens americanos foram enviados para a morte no Vietnã. O total de vítimas vietnamitas entre os anos de 1964 até 1975 é impreciso, oscilando entre 1 milhão e meio a dois milhões de mortos, entre civis e militares. Percebe o estrago que apenas dois lobos com bastante poder podem fazer a uma, ou melhor, duas nações, em um curto período de tempo? Claro que na política, ainda mais à frente de uma potência como os EUA, Kennedy tinha muita evidência e poder, mas estava em meio a muitos dos lobos mais perigosos e poderosos do planeta. Bastou ele ameaçar “atrapalhar os negócios” dos lobões para que o gatilho do fuzil lupino, que sempre esteve apontado para sua cabeça, fosse puxado.

Através de um decreto conhecido como Executive Order 11110, Kennedy tentou abolir o Federal Reseve Bank (FED) da economia americana, um banco privado (comandado por 13 famílias dos lobos do mais alto escalão, portanto erroneamente chamado de Federal), que emprestava dinheiro ao Governo Federal dos EUA, com juros. O Black’s Law Dictionary (Dicionário de Leis dos EUA) define o FED como: “Rede de doze bancos centrais à qual pertence a maioria dos bancos nacionais e à qual os bancos estatais comerciais podem pertencer. As regras dos membros requerem investimento em ações de reservas mínimas.” Esse decreto assinado por Kennedy dava ao Departamento do Tesouro, autoridade explícita para emitir certificados de prata para qualquer prata, barra de prata ou standard silver dollars em posse do Tesouro,ou seja, o poder constitucional de criar e emitir dinheiro sem passar pelo FED. Isto significa que por cada onça (28,349 gramas) de prata existente nos cofres do Tesouro dos Estados Unidos, o governo podia introduzir dinheiro novo em circulação avalizado nos lingotes de prata que existiam fisicamente. Por isso, mais de 4 milhões de dólares em notas dos Estados Unidos foram postos em circulação com o valor nominal de 2 e 5 dólares. As notas dos Estados Unidos de 5 e 10 dólares nunca entraram em circulação, mas estavam sendo impressas pelo Departamento do Tesouro quando Kennedy foi assassinado. Parece óbvio que o Presidente Kennedy sabia que as notas do FED, que estavam sendo utilizadas supostamente como moeda legal corrente, eram contrárias à Constituição dos Estados Unidos da América. Esse dinheiro foi recolhido e o FED continuou a emprestar dinheiro para os EUA. Segundo a organização Christian Law Fellowship, a “Executive Order 11110” assinada por Kennedy, continua válida. Se não tivesse sido ignorada, ou melhor, maliciosamente suprimida, certamente teria evitado que o país atingisse a dívida federal estimada no valor assombroso de 18 trilhões de dólares, que está sendo criada desde 1963 e fez de uma das maiores potências econômicas do mundo, reféns dos lobos mais poderosos do planeta. Se essas famílias têm poder sobre um país como os EUA, imaginem o poder que não têm sobre países como os do Mercosul. Muitos dos membros dessas famílias fazem parte de sociedades secretas expostas por Kennedy em um discurso inédito e de coragem nunca mais vista na história da política mundial.

Seu suposto assassino foi preso e assassinado por outro criminoso dois dias depois. Difícil de engolir, né? Assim como boa parte do povo americano alega, praticamente todas as fontes sobre sua história, inevitavelmente, sugerem que sua morte fez parte de uma grande conspiração. É claro que Kennedy sabia o risco que corria, ele tinha poder. Não era ingênuo. Então por que fez o que fez? Simplesmente porque ele sabia que era a coisa certa a se fazer, independentemente das consequências. É isso que cordeiros fazem!

Kennedy enfrentou audaciosamente os dois mais poderosos instrumentos que alguma vez foram utilizados para aumentar a dívida dos EUA: a guerra do Vietnã e a criação de dinheiro por um banco central privado. O seu empenho em tirar todas as tropas do Vietnã até 1965 combinado com o Decreto Executivo 11110 teria afetado, drasticamente, os lucros e o controle do FED.

Em 1964, a House Committee (Comissão Parlamentar) Banking and Currency, Subcomissão em Finança Doméstica, elaborou um estudo intitulado “Fatos sobre o Dinheiro” que contêm uma boa descrição do que é o FED: “O Federal Reserve é totalmente uma máquina de fazer dinheiro. Ela pode emitir dinheiro ou cheques bancários e nunca tem problemas em converter os seus cheques porque pode obter as notas de $5 e $10 necessárias para cobrir os seus cheques, simplesmente pedindo à Agência Tipográfica do Departamento do Tesouro para as imprimir”. Qualquer pessoa ou qualquer grupo estreitamente unido que possua muito dinheiro, tem muito poder. Agora, imagine um grupo de pessoas que têm o poder de criar dinheiro. Imagine o poder que estas pessoas têm. Isto é exatamente o que é o FED!

Em comentário feito a uma turma da Universidade de Columbia em 12 de Novembro de 1963, dez dias antes do seu assassinato, o Presidente Kennedy afirmou:

O cargo de Presidente tem sido usado para fomentar uma conspiração para destruir a liberdade americana e antes de eu deixar o lugar, devo informar os cidadãos desta situação.

O cargo de Presidente tem sido usado para fomentar uma conspiração para destruir a liberdade americana e antes de eu deixar o lugar, devo informar os cidadãos desta situação“.

Saiba mais fatos assombrosos sobre “uma das mais corruptas instituições que o mundo jamais conheceu, segundo as palavras de Louis T. McFadden, que foi o Presidente do House Banking Committee (comissão que supervisiona todos os serviços financeiros nos EUA), aqui.

Bom, depois de Kennedy e do 11 de setembro de 2001, não precisa ser nenhum gênio pra enxergar que os lobos americanos não são os mais discretos na execução de seus planos sombrios para a manutenção do poder doentio que os move, deixando inúmeros rastros de seus atos criminosos e depois tentando encobrí-los com mentiras absurdas, assustadoramente, aceitas por bastante gente. Sugiro que as pessoas façam suas próprias pesquisas e tirem suas próprias conclusões.

Mas ele não foi o único que pagou o preço por enfrentar o sistema dos lobos. Leia aqui uma breve história de Martin Luther King Jr

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on Twitter
Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on Twitter
facebook-profile-picture

The author

Desde criança, sempre busquei a resposta para as seguintes perguntas: Quem eu sou? De onde eu vim? O que estou fazendo aqui? Pra onde eu vou? Essa busca acabou por se tornar prioritária em minha vida. Graças a todos que compartilharam e compartilham seus conhecimentos, tenho feito grandes transformações em minha vida. Assim, foi natural a decisão de compartilhar aqui as informações mais relevantes ao meu processo de evolução, inspirando cada vez mais pessoas a seguirem seus próprios corações.