cordeiros-e-lobos-mahatma-gandhi-2

Cordeiros e Lobos

Embora eu acredite que o trabalho interno de cada ser seja o caminho mais eficaz para uma real mudança externa, o inverso também é verdadeiro. Afinal, o mundo externo é um reflexo do mundo interno. Quando decidimos olhar com sinceridade para o mundo externo, sem a visão romântica que nos ajuda a suportar sua dura realidade, é inevitável que haja um aprofundamento no nosso olhar interno. Essa é a árdua tarefa desse post.

Apesar do texto tratar de aspectos difíceis, não há intenção de deixar o leitor desacreditado em relação ao mundo. Num sentido oposto, espero que as pessoas entendam que apesar dos cordeiros e lobos existirem no mundo externo, são uma metáfora de nossa luta interna. O texto a seguir é o resultado de uma pesquisa intensa, com o único intuito de compartilhar informações que possam proporcionar às pessoas uma vida livre e feliz.

Nos últimos posts, fica claro que para se obter sucesso é necessário conhecer como funciona o Universo onde se está inserido.

No momento, estamos encarnados no planeta Terra da terceira dimensão. Embora cada ser do Universo seja um pedaço do Todo (chame de Deus, se quiser), cuja essência é Amor, é necessário rompermos com a visão romântica da vida e enxergarmos que a realidade por aqui está bem mais próxima da retratada na trilogia cinematográfica Matrix, do que a do fantasioso mundo de Walt Disney.

Esse Todo é puro Amor. Não esse amor humano que conhecemos, cheio de condições. É um único ser, uma única consciência, que emana Amor incondicional, ad infinitum. Não existe nada além desse ser. Tudo o que existe está dentro d’Ele, faz parte d’Ele. Não existe nada fora. Claro que é impossível compreender isso dentro do paradigma humano, ou seja, entender o Todo da perspectiva de nossas mentes e cérebros humanos da terceira dimensão, que é uma das mais densas e duais deste Universo. Portanto, minha intenção aqui é proporcionar um vislumbre da realidade-última, ainda que de dentro da caverna platônica na qual nos encontramos.

Para que essas informações não sejam vistas como misticismo, deixo abaixo uma frase de Carl Sagan, extraída do prefácio original do livro “Uma Breve História do Tempo” – que permaneceu na lista de mais vendidos do Sunday Times por 237 semanas, perdendo apenas para a Bíblia e Shakespeare – escrito por Stephen Hawking, um dos físicos mais importantes da história. Recentemente ganhei o livro de um amigo que, após ler meu último post, fez questão de me enviá-lo de presente pelo correio, mesmo que com certa descrença na entrega da encomenda aqui em pleno Vale do Capão (Chapada Diamantina), onde estou morando atualmente. É claro que a encomenda chegou. Nada ocorre por acaso nesse Universo. Eis aqui a frase:

“É também um livro sobre Deus… ou talvez sobre a ausência de Deus. A palavra Deus enche estas páginas. Hawking parte em demanda da resposta à famosa pergunta de Einstein sobre se Deus teve alguma escolha na Criação do Universo. Hawking tenta, como explicitamente afirma, entender o pensamento de Deus. E isso torna a conclusão do seu esforço ainda mais inesperada, pelo menos até agora: um Universo sem limites no espaço, sem princípio nem fim no tempo, e sem nada para um Criador fazer.”

Embora eu também esteja preso no paradigma humano, tenho a ambição de ir até suas fronteiras. Saber se elas realmente existem, ou se são apenas uma ilusão na qual fomos condicionados a acreditar. Lembram do que foi dito no post anterior? Nossa realidade está diretamente ligada ao nosso sistema de crenças. Pensou, sentiu, criou! Por essa lógica, nossos maiores limitadores são nossas próprias crenças, sejam quais forem.

Mas tudo bem, mesmo dentro do paradigma humano, temos muito a avançar. Sigamos então pelo seguinte raciocínio lógico: o que faria um único ser que é a origem de “tudo o que existe” e sente Amor incondicional, ad infinitum? Veja bem, Ele está sozinho. Não existe matéria, apenas uma única Onda, uma única Consciência, um oceano primordial de energia no eterno agora, chamado pelos físicos quânticos deVácuo Quântico. Não existe o continuum espaço/tempo no qual estamos inseridos aqui na Terra. Difícil imaginar, não é mesmo?

Há que se ter um pouco de abstração para entender isso. Agora, imagine o poder de abstração desse ser. É infinito, claro! Logo, podemos concluir que quanto maior o grau de abstração de um pensamento, mais poderoso ele é. Basta olharmos a diferença entre o grau de abstração que um pedreiro precisa para calcular a quantidade de cimento e tijolos ao construir uma casa e o de um arquiteto ao planejar e fazer todos os cálculos para que um edifício de dezenas de andares pare em pé, ou ainda o de um cientista que, de forma ainda mais abstrata, busca entender do que o tijolo é feito na sua essência, inevitavelmente, adentrando o mundo atômico que emerge desse oceano primordial de energia, conforme explicado no post anterior. Mas enfim, o que Ele faz? Pra quem Ele emana todo esse Amor incondicional, se está sozinho? Bom, se Ele é “tudo o que existe”, então Ele é onisciente, onipresente e onipotente, certo? Ou seja, sabe tudo, está em todos os lugares e pode tudo! Pode, inclusive, se subdividir em infinitas partes. É exatamente isso que Ele faz! Por isso, a expansão do Universo é infinita. Ele continua se subdividindo de infinitas formas possíveis, ad infinitum. Não existe continuum espaço/tempo pra Ele. Isso é uma sensação peculiar aqui da terceira dimensão. Agora, lembram do exemplo do átomo e do holograma, no post anterior? Se removermos um átomo de qualquer coisa que existe, por exemplo uma coruja, vamos encontrar no campo eletromagnético desse átomo a informação da coruja toda. Ou ainda, se dividirmos um holograma com a imagem dessa coruja em um milhão de pedaços, cada pedaço terá imagem completa da coruja. Portanto, se esse ser simplesmente se subdividir, criará infinitos seres idênticos e dessa forma é impossível que haja troca de informação, pois todos os seres pensariam e sentiriam exatamente as mesmas coisas ao mesmo tempo. Seria como se todos ainda fossem o único ser, o Todo. Sendo assim, é necessário individualizar cada pedacinho (pode chamar de centelha divina, se preferir). Para isso, cada centelha é revestida com um ego e assim temos a centelha 1, a centelha 2, a centelha 3, etc. Agora sim, temos infinitos seres que podem trocar informação e evoluir. Seres para quem o Todo pode emanar Amor e através dos quais o Universo se expande sem parar.

Bom, mas aí surge uma questão a ser resolvida. Se cada pedacinho é o Todo (assim como o átomo da coruja e a coruja) e esse Todo é onipotente, como ele vai se auto-coibir? De forma mais clara, se a centelha está realmente individualizada e quer agir de forma incoerente ao Todo, quem vai coibí-la de agir assim, se essa centelha, na sua essência, é o Todo e esse Todo é onipotente? Ele pode tudo, não há quem possa limitá-lo ou impedí-lo de fazer nada. E agora? Você já ouviu falar de livre-arbítrio? Pois é, é pra isso que ele serve. As criaturas são livres para fazerem o que quiserem, seguirem seu caminho da forma que acharem melhor, sem a intervenção do Todo. Afinal, o Todo é Amor puro. Ele emanou as criaturas para amá-las, ou melhor, amar a si próprio, incondicionalmente. Isso resolve muitas questões mesquinhas da humanidade quando se pensa coisas do tipo: “se Deus é bom, porque ele não acaba com a maldade no mundo?” Ele é você e você é Ele! Pronto. Entendeu isso, acabam-se os problemas. A maldade não está no Todo, está nas criaturas que optam pela maldade. Cada ser é livre para fazer o que bem entender, inclusive negar o Todo e ao invés de amar, fazer sofrer. Mas cada criatura é responsável por seus atos. Como já foi dito: “a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória”. A resistência em se aceitar isso é brava por aqui. Então, o que vemos ao nosso redor são pessoas sofrendo, botando a culpa dos seus problemas fora e se eximindo de qualquer responsabilidade sobre a criação de suas próprias realidades.

Enfim, enquanto isso não é aceito, temos esse mundo complicado onde vivemos atualmente. Nesse mundo, existe dualidade. Temos os seres que se permitem aprofundar a conexão com suas centelhas divinas e os seres que negam essa conexão ferozmente e fazem de seus egos verdadeiros monstros. Os cordeiros e os lobos. Só que aqui nesse planeta, quem manda são os lobos. Não precisa ser nenhum gênio pra olhar ao redor e perceber isso. Se você for um ser desperto, verá isso com seus próprios olhos em qualquer lugar do globo. “Quem tem olhos, veja”. Mas para se conhecer esse planeta, há que se pesquisar e estudar sobre sua história, política, economia, filosofia e sociologia. Não tem segredo. Estamos vivendo a era da informação. Tudo que você procurar, encontra na web. Ou pelo menos encontra a fonte de qualquer informação que se deseja. No entanto, o que se vê por aí é uma alienação tremenda. Ferramentas poderosas sendo utilizadas de forma banal e pouquíssimo proveitosa. Ser um cordeiro, não significa ser um ingênuo com uma visão romântica e infantil da realidade. Pelo contrário, para andar entre os lobos, há que se estudá-los com afinco e saber onde se pisa!

Claro que os lobos não fazem a menor ideia de como é a realidade-última. Afinal, vivem dentro do paradigma material, ignorando outras dimensões e outras vidas. Porque se eles tivessem consciência de que depois do que chamamos de “morte” a brincadeira continua e que a única conta corrente que eles possuem é cármica e não bancária, eles não agiriam como agem e o mundo seria bem diferente. Eles podem ter o domínio territorial aqui na matéria, mas isso é feito através da força e podres-poderes (como bem definiu Caetano). Nada a ver com a onipotência amorosa do Todo, que ama e respeita suas criaturas, mas um poder doentio, voltado para a dominação e sofrimento. Não é isso que se vê por aqui?

Os cordeiros são aqueles que deixam seus egos de lado para que a centelha divina, ou seja, o Todo possa atuar através deles. Eles trabalham em cooperação com todos os seres. Os lobos são aqueles que competem por esse poder doentio a qualquer custo. A partir do momento que a pessoa se conecta com sua centelha divina, ela se liberta e transcende os problemas da terceira dimensão. Seu único foco passa a ser ajudar os demais a fazerem o mesmo. Ou seja, cada um que desperta e se conecta com o Todo, é um ou mais “operários” a menos no sistema comandado pelos lobos. E claro, eles não gostam nem um pouco disso. De novo, para que essas informações não sejam vistas como misticismo, apresentarei a seguir alguns exemplos que temos ao longo da história da humanidade, em ordem cronológica. Procuro fazer a minha parte e com base na minha pesquisa apresentar fatos. E contra fatos não há argumentos. Então vamos aos fatos e vejamos se através deles as pessoas passam a entender de forma mais realista como funciona esse belo, porém problemático, planetinha azul.

Antes de mais nada, uma pergunta fundamental: você sabe como funciona seu inconsciente a ponto de programar a sua própria mente, conscientemente? Pois é…acontece que os lobos lá em cima sabem! Não é a toa que eles estão no topo. Quantas pessoas será que já ouviram falar ou, efetivamente, sabem o que é mensagem subliminar, espelhamento, arquétipo, programação neurolinguística (PNL), Visão Remota, Telepatia, Telecinésia, Precognição? O problema é que a maioria das pessoas, se ouviu falar, acha que isso é só teoria, ou pior, misticismo. E que, certamente, existe alguma lei que impeça alguém de usar isso para controlar os outros. Isso é uma visão totalmente ingênua da realidade. Todo esse conhecimento é usado de forma massiva na comunicação e publicidade por todos os governos e grandes corporações, há muito mais tempo do se imagina. O fato de você desconhecer um assunto significa, única e exclusivamente, que você é ignorante sobre esse assunto e não que os outros também sejam. É…mas infelizmente é assim que a maioria pensa: “ah, eu acho que isso não existe, então não deve existir”. Mas quantos já pegaram o mapa e foram comparar com o território real pra ver se bate? Pois é, poucos fazem isso. Só que pra saber como e se as coisas funcionam, tem que fazer isso. Tem que ir atrás, ler, pesquisar, testar, até que se saiba de verdade, por si só, como é a coisa. Cada fato que se descobre é uma peça do quebra-cabeça da Verdade.

A Visão Remota, por exemplo, é a prática de se buscar impressões de um alvo distante e escondido da vista física, utilizando meios paranormais. É algo totalmente científico e foi utilizada tanto pela CIA, quanto pelos exércitos dos EUA e da União Soviética (Rússia). Veja bem, não estou falando de uma prática utilizada por místicos. Estamos falando de um conhecimento utilizado pelas forças militares das maiores potências econômicas do mundo. Está clara a diferença entre fatos e misticismo? Em 1975, com um patrocínio de 20 milhões de dólares do governo dos EUA, uma unidade do exército americano deu início ao projeto Stargate, com a única finalidade investigar o potencial de fenômenos psíquicos em aplicações militares e domésticas, uma vez que a União Soviética estava fazendo o mesmo e os americanos queriam verificar se realmente funcionava. A Visão Remota foi extremamente utilizada por ambos os lados durante a Guerra Fria. Segundo um relatório da CIA, em 1995, o projeto nunca foi útil e estaria, finalmente, encerrado. Quer dizer, é um tanto difícil de acreditar que o governo americano gastou 20 milhões de dólares e demorou 20 anos pra concluir que o projeto “nunca foi útil”. Basta olhar pra história pra perceber que falar a verdade nunca foi a estratégia de nenhum governo, muito menos em se tratando de projetos ultra-secretos, não é mesmo? As vezes os lobos nos subestimam em excesso. E o pior de tudo é que, mesmo assim, eles tem êxito.

Logo abaixo, um trecho da palestra sobre Visão Remota, canalizada por Hélio Couto. (livros impressos com a transcrição dessa e outras palestras podem ser solicitados, gratuitamente, aqui em seu website).

“Como é o funcionamento da visão remota? Pensou-se que fossem ondas eletromagnéticas – você capta ondas eletromagnéticas ou envia – é o que acontece com a nossa visão, nossa audição. Tudo é onda eletromagnética. Porém, colocou-se o visor – que é a pessoa que enxerga – colocou-se dentro de uma gaiola de Faraday, que isola o indivíduo de todo o eletromagnetismo circundante. E verificou-se que ele, isolado, tinha a capacidade de enxergar. Portanto, não é eletromagnetismo. E, vocês sabem que uma luz, que é uma onda eletromagnética, você acende, aqui, vai perdendo força, energia, e ficando mais fraquinha conforme a distância aumenta. E como se explica enxergar algo em Marte? Então, não é onda eletromagnética. É algo diferente, que ocorre numa velocidade superior à velocidade da luz e que os físicos já entenderam o que é, mas não aceitam que existe. Isso compromete a credibilidade. Dois físicos, Russell Targ e Harold Puthoff, em 1971, é que começaram essa pesquisa. Eles conheceram Ingo Swan, muito famoso, tremendo visor remoto – no livro “O Campo” (de Lynne McTaggart) há um capítulo sobre visão remota que conta a história dele, e essa história também, parcialmente, de como ele conseguia ver bunkers soviéticos de fabricação das armas atômicas, que ninguém sabia que existiam. Quando a notícia começou a ser veiculada, os americanos vieram procurar os dois para verificar como funciona isso. “Queremos fazer um teste, porque não é possível que exista a visão remota.” Deram uma localização, longitude e latitude, e falaram: “Olhem esse endereço aqui.” Eles olharam e disseram: “Aqui existe uma instalação ‘assim, assim’, nuclear”. Acontece que aquela instalação, aquele endereço, era de uma instalação secreta americana. Como eles sabiam de uma instalação ultrassecreta? Só poderiam ser espiões soviéticos. Então, vasculharam muito a vida dos dois e dos visores, e chegaram à conclusão de que eles não eram traidores, não havia nada de errado com eles e, realmente, eles conseguiam ver qualquer coisa. Russell Targ, nessa época, mais ou menos, propôs à NSA, que é o hiperorganismo secreto – segundo dizem, sete vezes o tamanho da CIA – que eles poderiam fazer um experimento. Pegariam um código criptografado, daqueles impossíveis de serem quebrados, e o visor iria ver o que significava aquilo. Vocês acham que a NSA “topou” o desafio? De jeito nenhum. “Deixa para lá.” Por quê? E se eles provassem? Se o visor visse qual era o significado criptografado? Todos os hipercomputadores não valeriam mais nada.Russell Targ esteve na União Soviética, poucos anos atrás, fazendo uma palestra sobre visão remota, e ele pode fazer isso sabem por quê? Porque ele agora é zen-budista; quarenta anos depois ele é budista. Agora, não é mais físico, não é mais cientista. “É um ‘cara esotérico’, agora, está certo?” Perdeu a credibilidade científica. Agora ele fala de budismo, e já citei aqui vários livros dele, para vocês terem acesso a suas ideias. Retomando, ele foi à Rússia dar uma palestra. Ele entende muito do assunto, e os russos queriam saber como é que funciona a visão remota. Após a palestra, havia um coffee break. Aí, os russos chegaram para o Russell e disseram assim: “Quer dizer que a gente não tem como esconder nada?” Ele falou: “É exatamente isso. Não é possível esconder nada.” Então, visão remota é um problema; isso não pode ser aceito. Vai levar tempo, ainda. Algumas gerações, até que tudo seja trocado e as pessoas não terão medo, de que um visor veja o que há no cofre de suas casas.” (Hélio Couto)

Agora, alguns trechos da palestra sobre programação neuro-linguística (PNL), igualmente canalizada por Hélio Couto:

“Um médico resolveu fazer uma experiência de hipnose há muitos anos. Pegou uma paciente, hipnotizou e disse: “Quando eu te encontrar e disser a palavra X, você vai se comportar de tal maneira, assim, assim, assim. Pronto. Depois você acorda, vai embora e não se lembrará desse momento.” Quinze anos depois os dois se encontraram num restaurante aqui em São Paulo. Ele chegou para a mulher e falou a palavra. Ela se comportou exatamente como ele tinha dito que ela iria fazer. Entenderam como é eficiente? Então, se você contar uma historinha, dois mil anos atrás ou cinco mil anos ou cem mil anos, o resultado é o mesmo. Para a mente não existe tempo. Você põe um comando e ele dura até que seja revisto, até que seja desfeito. “Acorda”, aí a pessoa sai da Matrix e acorda e daí enxerga.”

“Um produtor musical também fez o seguinte: pegou uma banda, juntou quatro roqueiros que era muito difícil manter juntos. Gravou e embaixo disso ele colocou uma gravação dele com a mulher tendo uma relação sexual, na casa dele. Pegou essa trilha sonora e pôs embaixo do som da banda. Mixou tudo, chamou os advogados das gravadoras e falou: “Olha, eu tenho aqui um novo disco, uma nova música, vamos ver quem tem interesse. Toca aí”. Tocou. Imediatamente, todo mundo começou a discutir, porque cada um queria para si a tal música, que ia vender. E se não me engano, vendeu dez milhões de cópias. O negócio ficou ruim porque os quatro não se davam, suficientemente, bem para tocarem juntos num palco. Então, eles não conseguiam reproduzir no palco aquilo que estava no disco. E aí a coisa veio à tona e se descobriu isso. Mas, vendeu, vendeu muitos milhões e milhões. E toda vez que se fizer isso venderá mais muitos milhões. Então, toda vez que vocês pegarem a música pop e puserem no ouvido os dois fones, perceberão que se você ficar apenas com o fone esquerdo no ouvido; ouvirá a amplitude que tem embaixo, o subliminar que tem embaixo, no fone esquerdo. Da mesma forma acontece com o fone direito. Se você põe os dois, fica numa amplitude maior, você não escuta o que está embaixo. Pega o pop e faz isso. Faz isso para você ver quantos gemidos de orgasmo você vai encontrar nessas músicas, embaixo. Encontrará inúmeros.”


“É possível pôr subliminares debaixo de qualquer coisa. O problema é como é que você vai comprovar um negócio desses. Lembra-se do filme “Clube da Luta”? O “Clube da Luta” é um filme que foi feito para denunciar uma coisa dessas, e mais umas coisinhas. Mas, lá no meio do filme, ele mostra um fotograma que ele tinha inserido no filme. Está lá, assistam ao filme. Na cena final do “Clube da Luta” em que os dois estão numa sala escura de um prédio, olhando pela janela – e aqueles prédios todos estão caindo, explodindo, implodidos, tipo o World Trade Center – se você parar a cena com recurso stop e for avançando de quadro a quadro, você verá que o homem está sendo fotografado da cintura para baixo. Assim, um ângulo diagonal, da cintura para baixo, ou seja, nu. Naquela cena aparece o pênis inteiro dele, num fotograma. Por quê? O que significa isso? Poder e força. O que eles queriam passar, além de mostrar que é fácil fazer a coisa? Poder e força. Essa era a ideia que eles estavam passando. Toda vez que você ver esse tipo de estímulo, lembre-se que significa poder e força. Então, tem n propagandas desta forma, uma após a outra, sucessivamente. Tudo embutido ou diminuído. A bebida está sendo derramada em um copo. No cubo de gelo, está lá um pênis pequeno. Você não vê porque você não quer ver, não é? Porque você teria que pegar a revista, folhear achou algo assim, vira de cabeça para baixo, vira de lado, pega uma lente de aumento, põe uma lupa e amplia para ver. Está lá. Mas, como a população não faz isso. Você só faz folhear, rapidamente, as revistas. Vai virando e vendo as propagandas e vira, vira, vira. Em trezentos milésimos de segundo o seu cérebro já captou o subliminar. Já estão fabricando todos os hormônios, neurotransmissores e tudo mais. E o comando já foi colocado. E, quando põe um símbolo, que é o caso desse tipo, o que é? Poder e força. Então, você passa a sensação de poder e força para o consumidor em relação a um produto X. Entenderam? Torna-se neuroassociado, produto tal. Daí você sente poder e força em relação a ele. Quando se vê o produto, sente poder e força. Quando consome, sente poder e força. É uma ancoragem, feita com um arquétipo, de forma subliminar. Assim, passa um mês, você vai fazer as compras no supermercado. Está lá na gôndola o produto. Você olha o rótulo, olha a marca e sente poder e força. Você não sabe o motivo, mas aquele produto gera um sentimento de poder e força em você. Você compra aquela marca, aquele produto e não sabe sequer o que está comprando. Não sabe, mas tem um sentimento, compra por impulso. Se sente bem com o produto tal, então você compra. Então, n vezes coloca-se, normalmente, coloca-se pênis, mas às vezes colocam também o genital feminino. Um desenho desses custa de trinta a cinquenta mil dólares. Desenhos subliminares para serem embutidos nas propagandas. Existem especialistas que só fazem isso. O que se faz quando você vai ter um genital feminino? Você acha que vai tirar uma fotografia e pegar a fotografia e pôr em cima de um bolo, no rótulo, no supermercado? Não é assim. É um pouquinho mais complexo. Quando se faz, quando se dá uma ordem para o desenhista fazer uma propaganda desse tipo, é falado o que para ele? Todo anúncio é uma promessa, lembra? Todo anúncio é uma promessa. “Este pneu roda sessenta mil quilômetros”, “Essa TV dura vinte anos”, “Esse…”, e assim por diante. Qual a promessa que será feita num caso deste, que vai se colocar o genital feminino em cima de uma massa de bolo? Um bolo, uma fatia de bolo. É que a consumidora, consumindo aquela massa de bolo, ficará excitada. Essa é a promessa. Como é que se obtém isso com um subliminar? Pondo um desenho de um genital excitado. Foi isso que foi falado uma vez, que foi feito, ao desenhista: “Desenha o órgão no estado excitado”. Ele fez. Vendeu tudo que se pôs no mercado daquela massa. É imbatível. Não tem como evitar o resultado. Porque estava muito bem disfarçado. A pessoa olhava e não percebia o subliminar. Mas, imediatamente o símbolo entra, provoca toda a criação dos neurotransmissores e hormônios, você se sente de determinada forma. Entre essa massa de bolo e essa aqui, você compra aquela.”

Bom, espero que tenha ficado claro que existem inúmeros meios de se obter informações e manipular a massa. Conhecimento é poder.

Apresentarei a seguir diversos exemplos de como pensa e age um cordeiro e quais as consequências de se viver como um, em uma terra comandada por lobos. Na essência, são todos a mesma coisa. Se preferir, escolha um ou dois e pule para a parte final do post.

O primeiro exemplo, não apenas dessa lista, mas também na lista de most wanted dos lobos, obviamente, seria Jesus Cristo. Pra se ter uma ideia, do dia em que ele entendeu quem era e começou a ensinar o povo sobre a realidade do Universo até a sua crucificação, passaram-se apenas três anos! Essa informação não pode, simplesmente, passar batida. É o maior sinal de que ele realmente tinha o conhecimento para libertar uma quantidade significativa de pessoas do sistema dos lobos. Como já citei seu exemplo de forma clara e extensa no post anterior, apenas deixo aqui um questionamento: qualquer ser da terceira dimensão, tem que se confrontar com o fato de estar inserido no continuum espaço/tempo, ou seja, nasce em algum ponto geográfico e temporal, aqui na Terra, contabilizado em anos. Como é possível ignorarmos o fato dessa contabilidade ser feita em função da data de nascimento de um único ser humano que passou por aqui? Quer dizer, a história da humanidade está dividida em antes e depois da passagem desse ser na Terra. Se a pessoa não tem curiosidade em saber quem ele realmente foi, aí esquece…”desse mato não sai cachorro”. Chegar aqui, aceitar todas as “histórias da carochinha” que nos foram contadas e não ir atrás de saber quem foi esse cara, ou melhor, o que será que ele tinha de tão importante pra nos contar, na prática, é o mesmo que dizer: “eu me recuso a olhar para a realidade”. Pense bem, não existia correio, fax, smartphone, satélite, internet, rádio, jornal, imprensa, nada! O cara subiu em cima de uma pedra e começou a falar A Verdade. Três anos depois: cruz! Isso porque, no início, os sermões eram apenas em pequenos povoados, afastados dos grandes centros. Senão, tinha ido antes. Que mensagem tão poderosa era essa? Não te intriga, no mais profundo do seu ser? Meu coração, que hoje é minha bússola, meu mestre, meu norte, sempre considerou esse fato um dos indicativos mais explícitos sobre o caminho da Verdade e tão bizarro quanto preocupante ver pessoas tocando suas vidas sem enxergar isso, ou pior, se recusando a olhar pra isso. Pense na quantidade de lobos pesos-pesados que já passaram por aqui. Governantes de todos os tipos. Faraós, reis, presidentes, impérios que chegaram a ter poder suficiente para dividir o planeta em dois. Ainda assim, a data do seu nascimento e de qualquer outro ser humano é baseada na data do nascimento de um Cordeiro que veio nos ensinar sobre o Amor. Ou, do ponto de vista da ciência, sobre Mecânica Quântica. Pense nisso e verá a diferença entre a onipotência amorosa do Todo e o mísero poder doentio dos lobos, ainda que seja o lobo mais poderoso do planeta. Assim, é possível entendermos porque todo líder espiritual é morto por aqui. Os sinais estão na nossa cara. Não foi à toa que ele disse: “Quem tem olhos, veja.”

CONHEÇA A HISTÓRIA DE ALGUNS CORDEIROS QUE PASSARAM PELA TERRA

Acho que ficou claro que os lobos que estão no topo têm muito poder e são extremamente mais inteligentes que a média da população. Controlar a massa é algo relativamente fácil pra eles, desde que esta esteja em estado de sono profundo, isto é, sob uma hipnose massiva, feita através da propaganda e todos os meios de comunicação que eles controlam. Lembram da PNL e mensagens subliminares? Pois é, isso é real! Pesquise e verá. É claro que para que eles tomem uma atitude drástica em relação a um cordeiro, como vocês viram, é necessário que esse cordeiro realmente incomode e ameace bastante ostatus quo, que deve ser mantido a qualquer custo. É como se diz: ninguém bate em cachorro morto. Por isso, um excelente sinal de que um cordeiro está fazendo um bom trabalho aqui na terra dos lobos é quando ele começa a ser atacado. Agora, se todos escolhessem agir e viver como cordeiros, certamente, esses poucos exemplos citados acima não teriam sido alvos fáceis dos lobos. Se estiver na zona-de-conforto, praticando a lei do mínimo esforço, certamente não está fazendo diferença alguma por aqui. Está apenas desperdiçando mais uma encarnação. Vale esclarecer aqui que os negativos, o que estamos chamando, metaforicamente, de lobos aqui, têm um poder extremamente limitado em termos universais. São “reis” aqui nesta minúscula bolinha azul da terceira dimensão, ou no máximo algumas sub-dimensões acima. Afinal, quem trabalha e tem foco, mesmo optando pelo caminho da dor e sofrimento, pode obter resultados. Eis aqui, outra realidade dura de encarar: aqui na Terra, os negativos trabalham bem mais que os positivos. Se fosse o contrário, certamente, a situação seria outra por aqui. Mas é claro que a real evolução dos lobos é lenta e esse “topo” está dentro da sua limitada realidade. Quem está conectado com sua centelha divina, está conectado com o Todo, que é onipotente, onipresente e onisciente, portanto, tem um poder infinitamente maior, mas esse poder é acessado na medida que cada ser abandona a dualidade, deixa o ego de lado e passa a vibrar Amor. É impossível acessar todo esse poder sem vibrar Amor, negando o Todo. Essa é uma das perfeições da organização universal.

Entendeu como funciona? Então, agora há que se fazer uma escolha. No Universo, não tem muro pra ficar em cima. Já parou pra pensar de que lado você está? Porque esse papo de “eu trabalho, eu pago meus impostos” é uma ilusão, um auto-engano. Não é assim que o Universo funciona. Isso é uma visão romântica da vida, lembra? Quando ouço as pessoas dizerem que não tem tempo pra pensar nessas questões porque tem que trabalhar como loucos para pagarem suas dívidas, é um forte indício de que estão trabalhando pros lobos. E o pior, sem nem se darem conta disso. No Universo, existe uma organização assustadoramente descomunal e perfeita. Existem hierarquias, tanto do lado positivo, quanto do lado negativo. Quem está acima, independente do lado, é quem trabalha mais, estuda mais e portanto, sabe mais. Porque, no Universo, conhecimento é poder. Num mundo dominado por lobos, é muito simples pra alguém que está no topo e retém todo esse poder, criar um sistema que coloca todos que estão abaixo, correndo atrás do próprio rabo 24 horas por dia, 365 dias por ano, se endividando pra manter o status quo, sem tempo pra serem livres. O fato de não ter uma corrente em volta do seu pescoço é totalmente irrelevante. Mas a verdade é uma só: se trabalha pra um lobo, está no time dos lobos. Não importa se você serve o cafezinho ou é CEO de qualquer coisa. E se você é ignorante sobre esse fato, aí a situação ainda piora, porque significa que você é um escravo e nem sabe. Ouvir isso pode ser duro, mas é libertador. Há que se pagar um preço por nossa liberdade. Eu estou pagando o meu, mas me sinto cada vez mais livre e feliz, conectado com meu propósito e com o sentimento de que nada vai me tirar do meu caminho. Muito menos a morte na matéria.

Essa sociedade foi formada e é mantida por pessoas insanas (como disse John Lennon), que não tem o menor controle sobre seus egos e buscam um poder doentio a qualquer custo. Enquanto não despertarmos para a realidade de quem realmente somos, estaremos a mercê de seres como esses. Mas é sempre bom lembrar, a escolha é nossa. Afinal, a opressão só existe para quem se deixa oprimir.

Eu não poderia finalizar esse post de maneira mais direta e libertadora do que com essa fala do Osho, considerado por esses doentes governantes como “o homem mais perigoso do mundo” por, simplesmente, sentar em uma almofada, falar sobre Amor e passar conhecimento para as pessoas. Pois é, só aqui no mundo dos lobos mesmo…


 

Este blog não conta com nenhum outro tipo de financiamento, senão o de seus leitores.
 Caso queira apoiar com qualquer quantia, clique no botão abaixo:

 




 

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on Twitter
Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on Twitter
facebook-profile-picture

The author

Desde criança, sempre busquei a resposta para as seguintes perguntas: Quem eu sou? De onde eu vim? O que estou fazendo aqui? Pra onde eu vou? Essa busca acabou por se tornar prioritária em minha vida. Graças a todos que compartilharam e compartilham seus conhecimentos, tenho feito grandes transformações em minha vida. Assim, foi natural a decisão de compartilhar aqui as informações mais relevantes ao meu processo de evolução, inspirando cada vez mais pessoas a seguirem seus próprios corações.