clube do choro do capão

Choro do Capão

Estava ali na platéia, como um fã, quando de surpresa fui chamado pela galera do Clube do Choro do Capão pra subir ao palco e tocar o samba que compus em homenagem a eles. O resultado é esse aí no vídeo. Foi uma experiência incrível morar por quatro meses nesse lugar mágico, no coração da Chapada Diamantina, onde a natureza pulsa intensa e a trilha sonora não deixa a desejar. Aos que passarem pelo Capão, recomendo conhecerem o Clube do Choro e a Casa de Música, escola de música dos queridos Gustavo e Bruno Lavorini, onde tive a oportunidade de expandir minha percepção, teoria e prática musical.

“Choro do Capão”
Guilherme Almeida

Saí de São Paulo vazado, parti pra Bahia com meu violão
Cheguei na Chapada Careta, após um bocado de meditação
Mas na vida de um malandro depois uma pausa vem sempre o bordão
E quando menos percebi eu tava no Capão!

Confesso que ressabiado, olhando pro lado, sem dar muita fé
Um reggae molenga num canto, no outro um palhaço aplaudido de pé
Eu, na abstinência do samba, já ia perdendo o compasso do chão
Quando que quase por milagre avistei um chorão

Um batera no cavaco, guitarra uruguaja, percusion catalã
Sete cordas paulistanas, a flauta ligeira chorando em français
Eu coçando a cabeça, rindo e perguntando: “como é que isso é?”
E a moçada catucando e trocando de pé

Catuca, catuca daqui, catuca, catuca de lá
Na paradinha de colcheia até os mosquito parava no ar
A vila anoitece feliz, segura na palma da mão
Bem-vindos ao Clube do Choro do Vale do Capão

Chora Diamantina, teu choro me ilumina
Eu vou chorá até o sol raiá

E o ritmo corria solto, conforme a batida do meu coração
Acordes meio diminutos fazendo do choro uma linda canção
A tristeza e a alegria dançando no palco da contradição
Me rendo ao Clube do Choro do Vale do Capão (3x)

Em consideração à essa galera que estuda música pra valer, toca um choro de primeira e muitas noites acaba voltando com o chapéu vazio pra casa, fiz também esse outro samba “à Doniran” pra dar uma força pros caras 😉

A bateria do celular acabou, mas dá pra conferir a letra e o áudio aqui embaixo:

“Vira o Chapéu”
Guilherme Almeida

Entrei numa roda de choro no Capão
Cavaco, pandeiro, flautista e violão
Choro de primeira, dava gosto de ouvi
Mas o curioso foi quando eu percebi

Que os que tava na roda, chorava de coração
Enquanto os que aplaudia, trazia nos borso um escorpião
Com um choro daqueles, foi o que eu pensei
Mas pra tê certeza lá do meio eu falei:

Vira o chapéu, sete corda, vira o chapéu
Que esse povo que nos assiste um dia vai tá no céu
Daí então, lá de cima eles vão vê
Que só quem deu, foi quem pôde recebê

Aí despois, numa outra encarnação
Volta tudo pombo, pra vê se aprendero a lição
E lá no banco da praça despois do almoço pra tira uma paia
Nóis achando graça do alvoroço dos pombo catando as migaia

Mas enquanto isso, bora tocá com vontade
Que ninguém vence Deus em generosidade
Amanhã nóis levanta e faz tudo outra veiz
Só pra dá outra chance pros pobre dos freguêis

Este blog não conta com nenhum outro tipo de financiamento, senão o de seus leitores.
 Caso queira apoiar com qualquer quantia, clique no botão abaixo:




Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on Twitter
Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on Twitter
facebook-profile-picture

The author

Desde criança, sempre busquei a resposta para as seguintes perguntas: Quem eu sou? De onde eu vim? O que estou fazendo aqui? Pra onde eu vou? Essa busca acabou por se tornar prioritária em minha vida. Graças a todos que compartilharam e compartilham seus conhecimentos, tenho feito grandes transformações em minha vida. Assim, foi natural a decisão de compartilhar aqui as informações mais relevantes ao meu processo de evolução, inspirando cada vez mais pessoas a seguirem seus próprios corações.